Síndrome Respiratória Aguda Grave
saiba mais

Síndrome respiratória aguda grave


São sinais de agravamento, de piora do quadro da gripe.

Indivíduo de qualquer idade, com síndrome gripal (conforme definição abaixo) e que apresente dispneia (falta de ar, dificuldade para respirar, desconforto para respirar), aumento na frequência respiratória.

Em crianças: além dos itens anteriores, observar os batimentos de asa de nariz, cianose ( cor azul- arroxeada), tiragem intercostal, desidratação e inapetência ( sem apetite).


Na presença destes sinais o paciente deve procurar o serviço de
urgência/emergência da Santa Casa de Pereira Barreto


Quais as complicações da influenza ( gripe)?

A evolução da gripe (influenza) geralmente tem resolução espontânea em sete dias,embora a tosse, o mal-estar e a fadiga possam permanecer por algumas semanas. Alguns casos podem evoluir com complicações. As complicações mais comuns são:

› Pneumonia bacteriana e por outros vírus

› Sinusite

› Otite

› Desidratação

› Piora de doenças crônicas como insuficiência cardíaca, asma ou diabetes.

› Pneumonia primária por influenza, que ocorre predominantemente em pessoas com doenças cardiovasculares ou em mulheres grávidas.

Quais as condições e fatores de risco para complicações?

›Grávidas em qualquer idade gestacional, puérperas até duas semanas após o parto (incluindo as que tiveram aborto ou perda fetal).

›Adultos ≥ 60 anos.

›Crianças < 5 anos

›População indígena aldeada.

›Indivíduos menores de 19 anos de idade em uso prolongado de ácido acetilsalicílico (risco de síndrome de Reye).

›Indivíduos que apresentem:

›Pneumopatias (incluindo asma).

›Pacientes com tuberculose de todas as formas

›Cardiovasculopatias (excluindo hipertensão arterial sistêmica).

›Nefropatias.

›Hepatopatias.

›Doenças hematológicas (incluindo anemia falciforme).

›Distúrbios metabólicos (incluindo diabetes mellitus).

›Transtornos neurológicos e do desenvolvimento que podem comprometer a função respiratória ou aumentar o risco de aspiração (disfunção cognitiva, lesão medular, epilepsia, paralisia cerebral, síndrome de Down, acidente vascular encefálico – AVE ou doenças neuromusculares).

›Imunossupressão associada a medicamentos, neoplasias, HIV/aids ou outros.

›Obesidade (especialmente aqueles com índice de massa corporal – IMC ≥ 40 em adultos).

INFLUENZA /GRIPE


A influenza, conhecida como gripe, ocorre durante todo o ano, mas é mais frequente no outono e no inverno, quando as temperaturas caem, principalmente no Sul e Sudeste do País.

O que é?

A influenza ( gripe) é uma doença respiratória infecciosa de origem viral, que pode levar ao agravamento e ao óbito, especialmente nos indivíduos que apresentam fatores ou condições de risco para as complicações da infecção (crianças menores de 5 anos de idade, gestantes, adultos com 60 anos ou mais, portadores de doenças crônicas não transmissiveis e outras condições clínicas especiais).

Qual o microorganismo causador da influenza?

A doença pode ser causada pelos vírus influenza A ( H1N1, H3N2), B e C.

Qual o período de incubação?

O período de incubação do vírus da Influenza pode variar de um a quatro dias

Qual o período de transmissão?

A transmissibilidade em adultos ocorre principalmente 24 horas antes do início dos sintomas e dura até três dias após o final da febre.

Como ocorre a transmissão?

A transmissão ocorre por meio de secreções das vias respiratórias da pessoa contaminada ao falar, tossir, espirrar ou pelas mãos, que após contato com superfícies recém‐ contaminadas por secreções respiratórias pode levar o agente infeccioso direto a boca, olhos e nariz.

Quais os sinais e sintomas da síndrome gripal ( gripe)?

Indivíduo que apresente febre de início súbito, mesmo que referida, acompanhada de tosse ou dor de garganta e pelo menos um dos seguintes sintomas: cefaleia, mialgia ou artralgia, prostração, coriza, na ausência de outro diagnóstico específico. Em crianças com menos de 2 anos de idade, considera-se também como caso de síndrome gripal: febre de início súbito (mesmo que referida) e sintomas respiratórios (tosse, coriza e obstrução nasal), na ausência de outro diagnóstico específico.


Todos os pacientes com síndrome gripal devem retornar
ao serviço de saúde em caso de piora do sinais e sintomas.

Cuidados


Algumas medidas a serem tomadas no dia-a-dia podem ajudar a prevenir a transmissão da doença:


› Cobrir o nariz e a boca com lenço, ao tossir ou espirrar, e descartar o lenço no lixo após uso.

›Lavar as mãos com água e sabão após tossir ou espirrar.

›No caso de não haver disponibilidade de água e sabão, usar álcool gel.

›Evitar tocar olhos, nariz ou boca.

›Frequente higienização das mãos, principalmente antes de consumir algum alimento.

›Utilizar lenço descartável para higiene nasal.

›Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas.

›Manter os ambientes bem ventilados.

›Evitar contato próximo a pessoas que apresentem sinais ou sintomas de influenza.

›Evitar aglomerações e ambientes fechados (procurar manter os ambientes ventilados).

› Adotar hábitos saudáveis, como alimentação balanceada e ingestão de líquidos.

› Orientar o afastamento temporário (trabalho, escola etc.) até 24 horas após cessar a febre.

Vacinação


Sobre a vacina contra a Gripe Influenza (H1N1 e outros), a Secretaria de Saúde de Pereira Barreto informa:

A vacina fornecida pelo Sistema Único de Saúde (SUS) é destinada a segmentos da população identificados como grupos de risco, que podem apresentar maior possibilidade de complicações em decorrência do virus. Estes grupos são crianças entre 6 meses até menores de 5 anos de idade; mulheres gestantes e puérperas; idosos com mais de 60 anos; além de pessoas com doenças crônicas, como doenças do coração, diabetes e doenças respiratórias e trabalhadores de saúde. A vacina é distribuída pelo Ministério da Saúde aos municípios e está sendo distribuída em lotes.


Salientamos que não há motivos para pânico ou busca sem controle por atendimento, medicação ou vacinação.
Houve uma antecipação do virus neste ano, mas a situação em Pereira Barreto não é de surto ou epidemia.


A vacinação começará no dia 30/04 e seguirá até 20/05 nas Unidades Básicas de Saúde com Equipe Saúde da Família do município, de acordo com o calendário abaixo:


1ª Etapa – a partir de 30/04 - (sábado)
Poderão serão vacinados as pessoas com 60 anos ou mais de idade, as crianças entre 6 meses a menores de 5 anos de idade, os indígenas, as gestantes, as puérperas e os profissionais de saúde que trabalham nos hospitais e unidades de pronto atendimento públicos e privados e nas Unidades Básicas de Saúde.


2ª Etapa - a partir de 09/05 – (segunda-feira)
A vacinação será ampliada para as pessoas com comorbidades e os outros profissionais de saúde.



A VACINAÇÃO PODERÁ SER REALIZADA NO PERÍODO NORMAL DE FUNCIONAMENTO DAS UBSs, DAS 7H ÁS 17H, ATÉ 20 DE MAIO DE 2016

As pessoas que estão acamadas ou não têm condições de se locomover devem solicitar a vacinação em casa, agendando com a UBS onde estão cadastradas. Além do vírus A (H1N1), a vacina visa a proteger a população contra outro vírus tipo A (H3N2) e contra um dos vírus tipo B. A vacina também diminui o risco de outras doenças que podem aparecer junto com a gripe, como a pneumonia. Importante informar que todos os trabalhadores de saúde dos hospitais públicos e privados, bem como os serviços de urgência, também estão sendo vacinados, situação que ajuda a proteger a população e a diminuir a circulação do virus. As pessoas com doenças crônicas devem procurar a UBS em que está cadastrado . Caso o acompanhamento seja realizado em serviço privado para receber a vacinação deverá apresentar receita médica.



Pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais independe da idade, conforme quadro abaixo.
A apresentação da prescrição médica será obrigatória para este grupo, durante a campanha de vacinação.
Categoria de risco clínico
Indicações
Doença respiratória crônica
Asma em uso de corticóide inalatório ou sistêmico (Moderada ou Grave); DPOC; Bronquiectasia; Fibrose Cística; Doenças Intersticiais do pulmão; Displasia broncopulmonar; Hipertensão arterial Pulmonar; Crianças com doença pulmonar crônica da prematuridade.
Categoria de risco clínico
Doença cardíaca congênita; Hipertensão arterial sistêmica com comorbidade; Doença cardíaca isquêmica; Insuficiência cardíaca.
Doença renal crônica
Doença cardíaca congênita; Hipertensão arterial sistêmica com comorbidade; Doença cardíaca isquêmica; Insuficiência cardíaca.
Doença hepática crônica
Atresia biliar; Hepatites crônicas; Cirrose.
Doença neurológica crônica
Condições em que a função respiratória pode estar comprometida pela doença neurológica; Considerar as necessidades clínicas individuais dos pacientes incluindo: AVC, Indivíduos com paralisia cerebral, esclerose múltipla, e condições similares; Doenças hereditárias e degenerativas do sistema nervoso ou muscular; Deficiência neurológica grave.
Diabetes
Diabetes Mellitus tipo I e tipo II em uso de medicamentos.
Imunossupressão
Imunodeficiência congênita ou adquirida Imunossupressão por doenças ou medicamentos
Obesos
Obesidade grau III.
Transplantados
Órgãos sólidos; Medula óssea.
Portadores de trissomias
Síndrome de Down, Síndrome de Klinefelter, Sídrome de Wakany, dentre outras trissomias.

Atenção!
Pacientes já cadastrados em programas de controle das doenças crônicas do Sistema Único de Saúde (SUS) devem se dirigir aos postos que estão cadastrados para receberem a vacina. Caso no local de atendimento onde são atendidos regularmente não tenha um posto de vacinação, devem buscar a prescrição médica na próxima consulta que estiver agendada, visando garantir esse documento com antecedência, para evitar filas no período da vacinação..

VACINÔMETRO - Pereira Barreto

Campanha Nacional de Vacinação Contra Influenza 2016

Casos de SRAG

Registrados em Pereira Barreto em 2017


MêsNotificadoInfluenza
Outros SRAG
Não especificadaAguardandoÓbitosDescartados
Janeiro 0 0 0 0 0 0 0
Fevereiro 0 0 0 0 0 0 0
Março 0 0 0 0 0 0 0
Abril 1 0 0 0 0 0 1
Maio 0 0 0 0 0 0 0
Junho 0 0 0 0 0 0 0
Julho 0 0 0 0 0 0 0
Agosto 0 0 0 0 0 0 0
Setembro 0 0 0 0 0 0 0
Outubro 0 0 0 0 0 0 0
Novembro 0 0 0 0 0 0 0
Dezembro 0 0 0 0 0 0 0
Total do ano 0 0 0 0 0 0 1

Casos de SRAG

Registrados em Pereira Barreto em 2016


MêsNotificadoInfluenza
Outros SRAG
Não especificadaAguardandoÓbitosDescartados
Janeiro 0 0 0 0 0 0 0
Fevereiro 0 0 0 0 0 0 0
Março 5 2 0 1 0 2 3
Abril 2 0 0 0 0 0 2
Maio 1 0 0 0 0 1 1
Junho 2 0 0 0 0 0 2
Julho 3 0 0 0 0 0 3
Agosto 0 0 0 0 0 0 0
Setembro 0 0 0 0 0 0 0
Outubro 1 0 0 0 1 0 1
Novembro 0 0 0 0 0 0 0
Dezembro 0 0 0 0 0 0 0
Total do ano 14 2 0 1 0 3 12